“É um país pedinte” com lideranças sem “respeito constitucional mínimo”

Partilhar é ajudar!

[Total: 1   Average: 5/5]




A “carapuça” serviu a São Tomé e Príncipe como se fosse uma “luva”, mas desta vez não é sobre as ilhas maravilhosas, mas sim sobre a Guiné Bissau.

 O antigo responsável da ONU Carlos Lopes considera que a Guiné-Bissau é “um país pedinte”, onde as lideranças “não têm um respeito constitucional mínimo” e com grande falta de credibilidade junto da comunidade internacional, cuja paciência “tem limites”.

“O que é certo é que temos um conjunto de caraterísticas que são inverosímeis. Não temos nas lideranças um respeito constitucional mínimo. Há interpretações da Constituição que vão ao ponto de dizer que aquele que ganha as eleições não deve ser escolhido ou não deve governar, porque eu não gosto das políticas dele”, afirmou o professor guineense, em entrevista à Lusa em Lisboa.




Para o académico, antigo secretário-geral das Nações Unidas e atual alto representante da União Africana para as parcerias com a Europa, a Guiné-Bissau precisa “de uma espécie de desígnio nacional das lideranças do país, muito mais comprometido com o futuro dos guineenses”.

Mas esse desígnio não surge porque “é um país rentista”.

Carlos Lopes defende que os países africanos estão, cada vez mais, divididos em duas categorias, os rentistas e os reformistas: os primeiros “vivem da renda que vem do petróleo, ou dos diamantes, ou do cobre ou de alguma coisa, e ficam nesse guarda chuva, fazem muito poucas reformas e não se adaptam às necessidades de reestruturar a economia, vivem apenas dessa renda”.




Do outro lado, existem os países reformistas, os que fazem um esforço para se tornarem emergentes, explicou.

“Felizmente para a África, temos muitos países que estão a saltar da primeira para esta outra categoria, e alguns deles vizinhos da Guiné-Bissau”, acrescentou o também professor da Universidade Nelson Mandela, na África do Sul, onde vive.

Países como Cabo Verde, Senegal ou Guiné-Conacri são países que estão a fazer reformas ao longo do tempo e são países emergentes, concretizou.

Última Hora: Jovem que agrediu a ex-companheira é morto na posse das autoridades.
Última Hora: Jovem que agrediu a ex-companheira é morto na posse das autoridades.

Notícia em desenvolvimento.

O que o Evaristo Carvalho tem  e que todos querem?
O que o Evaristo Carvalho tem e que todos querem?

Este ano a população de São Tomé e Príncipe vai as urnas para escolher o novo Presidente da Rep…

Médicos recusam fazer exame que comprovam a violação da menina de 5 anos em São Tomé.
Médicos recusam fazer exame que comprovam a violação da menina de 5 anos em São Tomé.

Sem um exame médico que comprove a violação, não é possível garantir que o mesmo tenha acontec…

Notícia completa e RTP Notícias

Partilhar é ajudar!