Patrice Trovoada acusa os São-tomenses de Xenofobia e descriminação contra ele.

Partilhar é ajudar!

[Total: 0   Average: 0/5]

Porta voz do partido ADI residente em São Tomé, à saída do encontro de diálogo com o pastor da Igreja Maná, fez declarações surpreendentes para a maioria dos são-tomenses conforme noticiado pelo jornal tela non.

O porta voz residente que lidera o processo de diálogo abrangente da ADI,ao serviço do Patrice Trovoada acusou os são-tomenses de serem xenófobos. « É triste na medida em que nós, num clima de xenofobia, insultamos outras nacionalidades, sobretudo a gabonesa. Nós, do ADI, pedimos a todos os são-tomenses para pararem com esse clima de xenofobia e de ameaças», declarou Abnildo Oliveira, a saída do encontro com o pastor da Maná.


O o jornal encara a declaração bombástica, tendo em conta que os são-tomenses são tradicionalmente reconhecidos pelos seus visitantes como sendo um povo acolhedor.
Patrice Trovoada, Presidente do partido ADI, nasceu no Gabão, mas foi sempre bem acolhido pelo povo, o exemplo disso , foi em outubro de 2014, quando vários milhares de são-tomenses, foram receber Patrice Trovoada no aeroporto internacional, e o apelidaram de “Messias”.

O jornal recorda de que o Presidente da República Evaristo Carvalho, também condenou os comportamentos xenófobos, que segundo o Chefe de Estado, marcaram os últimos acontecimentos no país. «instigando à violência, à xenofobia e até mesmo ao ódio contra determinados cidadãos», referiu Evaristo Carvalho, numa das passagens da sua declaração à nação, onde atacou os comportamentos sociais na última semana.

Os são-tomenses na sua maioria desconhecem quem são os gaboneses que foram vítimas de acções xenófobas no país. São Tomé e Príncipe não tem nenhuma comunidade de imigrantes gaboneses. Mas o porta voz da ADI, que denuncia a xenofobia dos são-tomenses para com gentes de nacionalidade gabonesa, lançou um alerta ao país. «É necessário dizer que muitos dirigentes do MLSTP estiveram em Libreville. É necessário dizer que nós, em São Tomé e Príncipe, temos uma comunidade considerável em Libreville. Vamos imaginar se os gaboneses começarem a enxovalhar ou a insultar ou a escorraçar os são-tomenses em Libreville, por serem são-tomenses», advertiu Abnildo Oliveira.


Sem nunca indicar que cidadão ou cidadãos gaboneses foram vítimas da xenofobia são-tomense, o porta voz da ADI, colocou uma questão preocupante. São Tomé e Príncipe não tem capacidade para acolher os milhares de seus filhos que residem há mais de 40 anos no vizinho Gabão.

Um caso sério, despoletado no Diálogo abrangente da ADI com o pastor da Maná. Mas antes de denunciar a xenofobia são-tomense, o porta voz da ADI, falava do seu chefe. Patrice Trovoada o Presidente da ADI. «É preciso todos termos a consciência de que o político mais odiado nos últimos tempos, em São Tomé e Príncipe, é Patrice Trovoada e o político mais ameaçado em São Tomé e Príncipe, nos últimos tempos é Patrice Trovoada, e o político mais rejeitado é Patrice Trovoada», pontuou Abnildo Oliveira.


Escrito na íntegra por Abel Viegas no jornal tela non.

Partilhar é ajudar!