Anacondinha – “A comunidade internacional – silenciosamente – refere-se a ele como um homem falso. Angola não o respeita. Portugal …”

Partilhar é ajudar!

[Total: 1   Average: 5/5]

“Anacondinha”

A comunidade internacional – silenciosamente – refere-se a ele como um homem falso. Angola não o respeita. Portugal olha para ele com grande desconfiança, até porque as perseguições tanto ao embaixador como ao delegado da RTP e jornalistas desta estação pública, são perseguidos pelo seu ministro ex padre e pouco cristão e que alegadamente, já agrediu uma assessora. Soubemos que o mesmo ministro, enormemente preocupado com a informatização e era digital, nem carteiras com dignidade dá aos alunos que se atropelam no ensino secundário, aos molhos, acumulando-se em 8 à volta de uma carteira (destinada a dois).

Inaugura um barco velho (dizem eles de mais de 100 mil euros) numa carcaça de fibra usada, para transportar alunos do ilhéu das rolas para a costa de São Tomé – para a escola em Porto Alegre. Dá vontade de rir. Só para quem não conhece as águas deste Equador: as crianças obviamente vão correr risco de vida. Mas vale a propaganda e a censura, à moda de Hitler.

O atual Anaconda, anacondinha, como lhe chama a cantora santomense Sebastiana, tem estado a brincar com o povo. Faz tempos de antena incessantes, abusando da televisão pública, abusando da rádio nacional, publicita álcool na mesma TVS, quando chama ao povo bêbedo, e ainda acredita que o povo votou nele.

Nunca aconteceu uma situação idêntica. A democracia, sentindo-se ameaçada, saiu à rua. Manifestou-se numa mobilização inédita de populares, jovens estudantes, políticos de todos os partidos. E Patrice apelidou-os de delinquentes e menores. Assisti e sei que é mentira. Não havia crianças. Havia sim! Mães revoltadas com os seus bebés às costas.

No dia 4 de Outubro mataram um rapaz de 35 anos. Alegando porte ilegal de arma. Já detido, 3 polícias de segurança pública, e um PDE, agrediram – repito, já detido e imobilizado – o jovem homem até à morte. Um deles pedia, ao PDE (relato de locais que assistiram) que parasse porque o rapaz já estava inconsciente. Foi arrastado pelos pés, com as costas no alcatrão e cabeça. Foi depois transportado sem vida para o centro de saúde de Mé Zochi, na cidade de Trindade. Depois para o Hospital Ayres de Menezes e sem que a família tivesse acesso ao corpo, foi enterrado depois das 18:00, facto proibido por lei e sem qualquer missa de corpo presente ou ausente. E os populares afluíram à esquadra e centro de saúde numa revolução sem igual.

O Povo põe, o povo tira. Vai embora Patrice, gritavam os manifestantes. Não gostamos de você. Você não presta. Eram as frases de ordem no dia da manifestação que culminou com um campo de batalha e destruição do carro de uma juíza da ADI, de 1ª instância, sem competência, Natacha Amado Vaz, e que é irmã de Ilza Amado Vaz, ministra da justiça e que é da lista de Água Grande, o principal distrito que ditou a derrota da ADI_tadura e que a Lei das incompatibilidades dos magistrados obrigada o não envolvimento. Afinal quem desrespeitou a lei foi a própria jovem juíza.

Todos perceberam o risco que se avizinha numa DITADURA forjada em demo_cracia. Qualquer ditador (zinho) precisa de um povo e de um território. Consoante o seu caráter usa os pobres – que por acaso são cidadãos da terra que governa, mas que não é a sua – para pedir ajuda internacional que não se vê entrar. Não se compreende como e porquê um acordo com algum escravo de Erdogan, o famoso (pelas piores razões!) líder muçulmano da Turquia – como este líder da ADI – deu um apoio criando uma “fundação” Turkiye Maarif Vakfi, instalada em terra infértil do islamismo. Uma fundação com jardim infantil para aumentar a rede islâmica como se esta terra fosse tradicionalmente muçulmana e não profundamente cristã e católica como é. Dia 8, foi o primeiro dia do resto da tua vida. Curiosidades: 2 ministras (ainda em exercício de funções) – uma acompanhada do seu “homem” como se diz aqui em São Tomé e a outra, sabe-se lá como, a entregarem pacotes de 5 mil dobras (200€) a militantes do MLSTP-PSD (há testemunhas). Pessoas pobres e sem como comprar alimentos, não têm como, senão receber o dinheiro. Chama-se a este fenómeno: Banho. Não sei se será banho turco. Ou banho de imersão.

As mentiras têm limite. Não somos todos medrosos nem manipuláveis. Zacarias da Costa referiu, durante o seu comunicado, que concentrou a sua observação no dia da votação, acompanhando a abertura e o encerramento das urnas. Infelizmente, vamos lá saber porquê, não a verificação nas Distritais da CEN. Mas assistiram à contagem nas Mesas das assembleias de voto. E não verificaram qualquer irregularidade.

Um pedido, com diplomacia apelo à comunidade internacional: CPLP, Portugal. Angola. Protejam este povo. Criem uma delegação para acompanhar este processo. Assim que saírem os observadores a sangria começará. São Tomé e Príncipe tem uma história de democracia exemplar. Não é o Gabão. Nem o Mali e menos ainda a República Centro Africana. Como referiu o atual Presidente da República Evaristo Carvalho: “o Povo põe, o povo tira”.

Opinião da  Diretora do N”Dependenxa e Profª convidada em Comunicação em Saúde, I Medicina Preventiva e Saúde Pública, Faculdade Medicina ULisboa publicado no Diário de Notícias

Partilhar é ajudar!